VEM PRO GOOGLE

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

CONTRATAÇÃO NO BRASIL E POSTERIOR TRANSFERÊNCIA DO TRABALHADOR PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NO EXTERIOR

FGTS. Diferenças de depósitos e da multa de 40%.

RECURSO DE REVISTA. 1. SUBMISSÃO PRÉVIA DO LITÍGIO À COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA. DESNECESSIDADE.

I. O Tribunal Regional manteve a sentença em que se rejeitou o pedido de extinção do processo por ausência de submissão prévia do litígio à Comissão de Conciliação Prévia. Entendeu que a condição da ação estabelecida peloartigo 625-D da CLT -não pode ser apreciada no seu sentido isolado, mas em conformidade com a Carta Magna de 1988 que garante a todo cidadão o direito fundamental de recorrer à Justiça a qualquer momento, a teor do seuartigo 5º, XXXV-. Consignou, ainda, que -a submissão obrigatória e legal à tentativa de conciliação apresentada pelo Juízo, em primeira oportunidade, suprem a eventual omissão das partes no comparecimento à Comissão de Conciliação Prévia-.

II. A decisão recorrida está em conformidade com a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal e desta Corte Superior. Em 14/05/2009, o Supremo Tribunal Federal deu ao art. 625-D da CLT interpretação conforme a Constituição Federal para estabelecer que demandas trabalhistas podem ser propostas sem prévia submissão às comissões de conciliação, em observância ao direito de acesso à Justiça e à liberdade de escolha, pelo cidadão, da via mais conveniente para a resolução de sua demanda.

III. Ante o decidido pelo Supremo Tribunal Federal, não houve ofensa ao art. 625-D da CLT, porque, ao contrário do que defende o Recorrente, não mais se admite a interpretação de que a submissão prévia à comissão de conciliação constitui requisito para o exercício do direito de ação na Justiça do Trabalho. Após a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal nas ADI 2139/DF-MC e ADI 2160/DF-MC, esta Corte consolidou entendimento no mesmo sentido. Precedentes.

IV. Uma vez que a decisão regional está em harmonia com a jurisprudência desta Corte Superior, o conhecimento do recurso de revista por divergência jurisprudencial encontra óbice na Súmula nº 333 desta Corte e no § 4º doart. 896 da CLT.


V. Recurso de revista de que não se conhece.


2. PRESCRIÇÃO DO DIREITO DE RECLAMAR OS DEPÓSITOS DO FGTS.


I. A Corte de origem manteve a sentença em que se determinou a incidência da prescrição trintenária ao direito de reclamar o recolhimento para o FGTS. Decidiu ser aplicável ao caso em análise a regra contida na Súmula nº 362 do TST, porquanto -não houve pleito de parcelas remuneratórias, mas tão somente de diferenças de FGTS e multa de 40%, dos valores correspondentes a remuneração recebida no período em que laborou no exterior-.


II. Não procede a alegação de violação dos art. 7º, XXIX, da Constituição Federal e 11 da Consolidação das Leis do Trabalho. O Tribunal Regional aplicou o entendimento consagrado na Súmula nº 362 desta Corte e adotou o prazo prescricional de trinta anos à hipótese, previsto no art. 23, § 5º, da Lei nº 8.036/1990, cuja disposição, por ser específica, deve prevalecer à norma genérica inserta nos referidos preceitos. Outrossim, o FGTS tem natureza de contribuição social, diferentemente das demais parcelas trabalhistas, sobre as quais incide a prescrição quinquenal prevista na CF/88, motivo por que a aplicação do prazo prescricional de 30 anos (e não de 5 anos) não constitui ofensa aos mencionados dispositivos. Precedentes desta Corte e do Supremo Tribunal Federal.

III. A decisão regional foi proferida em conformidade com a jurisprudência desta Corte Superior, o que torna inviável o conhecimento do recurso de revista por dissenso jurisprudencial (art. 896, § 4º, da CLT e Súmula 333 do TST).


IV. Recurso de revista de que não se conhece.

3. FGTS. DIFERENÇAS DE DEPÓSITOS E DA MULTA DE 40%. CONTRATAÇÃO NO BRASIL E POSTERIOR TRANSFERÊNCIA DO TRABALHADOR PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NO EXTERIOR. INCIDÊNCIA DA OJ Nº 232/SBDI-1/TST. NÃO APLICAÇÃO DA SÚMULA Nº 207/TST.

I. O Tribunal Regional manteve a condenação da Reclamada ao pagamento das diferenças de depósitos e da multa de 40% do FGTS relativos ao período em que o empregado trabalhou no exterior. Concluiu que se aplica à hipótese dos autos o entendimento contido na OJ/SBDI-1 nº 232 TST, segundo a qual o FGTS incide sobre todas as parcelas de natureza salarial pagas ao empregado em virtude de prestação de serviços no exterior. Assentou, também, que, -no período de afastamento do reclamante, para trabalhar no exterior, continuaram a ser efetuados depósitos em sua conta vinculada do FGTS, o que afasta a alegação de ser inaplicável a legislação do fundo, já que o pleito se restringe a diferenças-. Registrou que -o reclamante trabalhou no Brasil e posteriormente foi transferido para os Estados Unidos-. Por esses fundamentos, entendeu pela não incidência da Súmula nº 207/TST ao caso concreto.


II. Esta Corte tem decidido que o princípio da lex loci executionis não se aplica aos casos como o presente, em que a contratação se deu no Brasil, para trabalhar nesse país e, posteriormente, houve a transferência temporária do trabalhador para prestação de serviços no exterior. Nessas hipóteses, incide a regra prevista na Orientação Jurisprudencial nº 232 da SBDI-1/TST. Precedentes.

III. Não se verifica contrariedade à Súmula nº 207 do TST, pois tal preceito foi cancelado em 19/04/2012 (Res. 181/2012).

IV. Não se visualiza violação do art. 198 do Decreto nº 18.871/1929, que promulgou a Convenção de Direito Internacional Privado de Havana (Código Bustamante), pois, de acordo com a jurisprudência consolidada desta Corte, em casos como o presente deve prevalecer a legislação mais favorável ao empregado.

V. Recurso de revista de que não se conhece.

RR-151200-27.2006.5.02.0046
Fonte | Tribunal Superior do Trabalho - Quinta Feira, 24 de Maio de 2012

Postar um comentário

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO
Quanto vale ser feliz?

Quem sou eu?

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

Arquivo do blog